Como já foi comentado no post anterior, é surpreendente que, em um mercado competitivo como o de tecnologia da informação, e justamente em um setor como Cloud Computing que está revolucionando a computação corporativa, um novo entrante como a Amazon domine o cenário de inovação. Se, no início de sua trajetória, a oferta da Amazon Cloud Computing se limitava apenas a abrir para o mercado a infraestrutura que ela criou para atender às suas próprias necessidades de varejista online de forma a ganhar escala, algumas de suas ofertas mais recentes têm primado pela inovação.

Até há bem pouco tempo, a Amazon era vista pelo mercado como uma provedora de IaaS (Infrastrucuture as a Service), e seus serviços pareciam ser de fácil imitação, embora inegavelmente sua agilidade, escala, baixo custo e capacidade de execução fossem reconhecidamente pontos fortes de sua oferta. Em tese, o mercado de plataforma como serviço (PaaS), de maior valor agregado, seria disputado por empresas como Microsoft e Google, que têm na inovação sua razão de ser.

Entretanto, até agora, a Microsoft parece se limitar a correr atrás da Amazon, seja clonando seus serviços, seja competindo por preço. No caso do Google, pelo menos por enquanto sua oferta de plataforma só parece atraente para startups e empresas que pretendam reescrever seus softwares de aplicação e abraçar avidamente o modelo de nuvem pública, o que definitivamente não é o caso da grande massa corporativa. Sua oferta de IaaS ainda é tímida, e sua evolução parece lenta demais para uma empresa que sempre se caracterizou pela agilidade.

AMAZON CC F1

Ao oferecer serviços como os recém-enunciados Kinesis e AppStream, a Amazon dá um passo importante para oferecer ao mercado o que seus competidores ainda não parecem capazes de entregar: novas e excitantes possibilidades para o uso de Cloud Computing.

Especificamente no caso do Kinesis, a Amazon está endereçando uma necessidade crescente das empresa que a própria computação em nuvem trouxe à tona: o processamento de grandes fluxos de informação em tempo real. Ao oferecer um modelo economicamente viável para o tratamento desses fluxos de dados, o Kinesis viabiliza, para organizações de todos os portes, a construção de uma nova gama de aplicações para análise de dados que antes era custosa e de difícil implementação. E, pelo menos por enquanto, não há nenhuma outra opção desse tipo no mercado.

Talvez, como avaliam alguns analistas veteranos desse mercado, um lançamento como o Kinesis sirva como uma chacoalhada para o Google, que certamente tem tecnologia interna e capacidade de inovação para fazer frente à Amazon. Mas, pelo menos por enquanto, suas iniciativas têm sido tímidas e pouco agressivas.

No caso das outras grandes empresas de tecnologia que tradicionalmente atendem ao mercado corporativo, como IBM, Oracle e HP, talvez elas estejam sofrendo do famigerado dilema do inovador. E pensar que foi a IBM que popularizou o conceito de “Computação sob Demanda”…

Diálogo entre Negócios e TI – Gestão do Portfólio de Aplicações
Google Cloud Computing

Compartilhe

Compartilhe este post com seus amigos