Faz, no mínimo, 15 anos que a internet se tornou um fenômeno global e vem mudando a vida moderna de maneira drástica. Transformou o modo como nos informamos e compartilhamos informações, nossa comunicação e a forma como ouvimos e consumimos música. Nesse período, a internet não parou de crescer, mantendo sua velocidade de crescimento sempre alta e constante.

É fácil se esquecer de que, olhando sob perspectiva, a internet é muito jovem e ainda existem muitas mudanças para acontecer nos próximos anos. Assim como a Internet modificou diversas indústrias e comportamentos, existem muitas ainda com grande potencial de transformação. Na visão de Jason Hiner, existem pelo menos quatro grandes indústrias ainda para ser alteradas: Cinema, Sistema de saúde, Meios de pagamento e o Mercado editorial.

Duas delas podem vir a ter grande impacto no Brasil:

1. Meios de pagamento

A internet mudou o modo como as pessoas lidam com o dinheiro. Consultas e pagamentos de contas on-line já são de praxe na maior parte dos bancos, porém, o que está para mudar é a forma pela qual as pessoas pagam por seus produtos no dia a dia. A tradicional carteira, com seus papeis e cartões de plástico, está para ser aposentada graças a uma combinação entre smartphones e internet móvel.

As chamadas carteiras digitais serão as responsáveis pela troca da carteira pelo celular. As contas serão pagas através do celular, com possíveis verificações de segurança como a verificação da digital do proprietário do aparelho. Um ponto interessante levantado por Jason Hiner é a possibilidade de realizar essa operação sem a cobrança de taxas pelas gigantes do setor, como Visa e Mastercard. Se esses esforços se mostrarem eficientes, a internet causará mais uma grande democratização, pois as pequenas empresas poderiam utilizar essa forma de pagamento sem diminuir sua lucratividade.

2. Mercado editorial

Com a popularização dos Tablets e E-Readers no mundo, o mercado editorial está para se transformar. Essa mudança acontecerá em duas frentes, a primeira com as editoras, que tentarão fazer que sua indústria não termine, como ocorreu com a indústria musical quando o Mp3 entrou no jogo, quando esta quase desapareceu. Na segunda frente está o autor. Atualmente, para um autor ser reconhecido, primeiro, ele precisa passar pelos filtros da editora, que decide o que vai ser lançado e o que não vai, além de decidir quais títulos terão maior divulgação (esses que normalmente têm o maior potencial de venda).

Esse processo está prestes a mudar e a democratizar-se, fazendo o autor ganhar mais força, não precisando mais do auxílio de editora, uma vez que poderá, ele mesmo, lançar seu livro como E-book e disponibilizá-lo para venda on-line, reunindo a maior parte dos lucros para si. Esse retorno, mesmo com vendas baixas, fará o autor lucrar mais do que se tivesse utilizando uma editora, possibilitando, dessa maneira, que um novo nicho de mercado seja criado. As editoras ainda cuidarão dos títulos de maior alcance, tendo em vista que elas possuem capital para uma grande divulgação.

Podem ser conferidas na matéria original, outras duas indústrias que serão transformadas: a do Cinema e a do Sistema de saúde.

 

67% dos usuários acessam o LinkedIn pelo menos uma vez por semana
Aumento no investimento em TI indica oportunidade para empresas inovadoras

Compartilhe

Compartilhe este post com seus amigos