O portfólio de aplicações de uma empresa, na maioria dos casos, é construído ao longo de um grande período de tempo, e em condições adversas de recursos e prazos. É muito comum que cada nova necessidade da empresa tenha sido atendida através da construção de um aplicativo específico, e o mesmo acontece na implantação de novas estratégias de negócio. Com o tempo, em conjunto com as constantes trocas de funcionários, o controle das funções de cada uma das aplicações acaba se tornando uma atividade complexa e que necessita de constante administração.

A decisão de aposentar um software depende do claro entendimento sobre essa complexa teia de aplicações, onde um aplicativo pode estar conectado a outros e esse, parando de funcionar, prejudicará toda a rede. Essa teia é tão complexa que, na maioria das vezes, o CIO não tem a idéia exata de quantos aplicativos estão ativos e principalmente quais deles ainda são eficientes e quais devem ser aposentados.

A pesquisa anual da Capgemini , analisando o atual estado dos negócios e aplicações de TI em nível mundial, destaca a urgente necessidade de racionalizar e aposentar aplicações desnecessárias e obsoletas, que consomem recursos que poderiam ser usados para real inovação e melhora da eficiência organizacional.

Em entrevistas detalhadas com CIOs e líderes de TI de empresas dos Estados Unidos e Europa foi revelado que:

85% deles dizem que o portfólio de aplicações precisa ser racionalizado

– 60% dizem que o número de aplicações é “maior” ou “muito maior” do que é realmente necessário para o andamento dos negócios

– Apenas 4% dizem que todos os sistemas de TI são essenciais para o funcionamento da empresa

– Metade dos entrevistados concorda que 50% das aplicações existentes poderiam ser aposentadas

Nesse momento, muitas empresas estão planejando uma transferência de suas aplicações para a nuvem, o que aumenta a importância de sistemas bem administrados e eficientes e com isso a necessidade de retirar do portfólio as aplicações obsoletas.

Além de reconhecer a importância desta questão, o relatório também revela as diversas barreiras que impedem uma gestão mais eficiente das aplicações, incluindo: o custo de atualizar um software, a falta do retorno do investimento no curto prazo, resistência cultural a mudança, diferenças regionais, a falta de desenvolvedores qualificados para migrar os dados do aplicativo aposentado, e a mais importante é que aplicações ainda não são considerados de prioridade fundamental para o negócio.

 

Android – Facilidades que ajudam no dia a dia
Geolocalização: Oportunidades para empresas de todos os tamanhos

Compartilhe

Compartilhe este post com seus amigos