A capacidade de desenhar e executar soluções inovadoras com sucesso pode ser um grande diferencial para os projetos da sua equipe. E uma das principais formas usadas para atingir isso é usando ferramentas de Design Thinking.

O Design Thinking é uma abordagem utilizada para criar soluções inovadoras para problemas complexos, focando nas necessidades reais de um determinado público.

Através do ciclo Inspiração, Ideação e Implementação, a equipe busca sucessivamente 1) entender sobre o problema e o público, 2) levantar ideias de solução, e 3) testá-las em campo e coletar feedbacks.

Em projetos que envolvem tecnologia, o uso dessa metodologia pode contribuir muito para a criação de experiências agradáveis e intuitivas para os usuários.

 

Existem diversas ferramentas que podem ser utilizadas dentro das etapas do Design Thinking. Abaixo, listamos algumas das principais técnicas que ajudarão a sua equipe a aplicar essa metodologia e desenhar soluções inovadoras.

 

1. Entrevistas

 

Essa é a principal técnica na etapa de Inspiração.

A condução de entrevistas permite que a equipe entenda com profundidade a relação de um determinado público com um problema.

Seu principal objetivo é identificar as principais características do público, como suas dores, desafios e desejos.

A partir das entrevistas são registrados insights, que servirão de insumo para idear uma solução desejável.

Dicas:

  • Faça perguntas abertas e simples;
  • Crie um clima confortável para o entrevistado e viabilize reações espontâneas;
  • Anote o máximo possível. Uma simples manifestação pode gerar insights preciosíssimos.

 

2. Personas

 

Essa ferramenta consiste na criação de perfis fictícios, baseados em interesses comuns de um grupo relacionado à sua solução.

São personagens com os quais sua equipe irá interagir, facilitando o exercício de empatia.

Um mesmo problema pode conter várias Personas, fornecendo visões de diferentes perspectivas dentro do mesmo projeto.

Dica:

  • Para tornar suas Personas mais humanizadas, dê nomes a elas e crie uma história. Exemplo: “João é corredor, e toda manhã utiliza o celular para checar as notícias do dia.”

 

3. Mapa de Jornada do Cliente

 

No decorrer do consumo de um produto ou serviço, o usuário passa por várias etapas. Com essa ferramenta, a equipe poderá visualizar com clareza a sequência de etapas em sua jornada de compra, quais são os pontos de contato, e como suas emoções variam em cada fase.

Dicas:

  • Coloque-se no lugar do cliente. As etapas da jornada devem refletir o ponto de vista do cliente em relação ao consumo, e não os processos da sua empresa.
  • Após desenhar toda a Jornada, procure por oportunidades de melhorar na experiência do cliente.

 

4. Cinco Porquês

 

O objetivo principal dessa técnica é buscar a causa raiz de um problema. Frente a um problema, sua equipe deverá perguntar 5 vezes o seu por quê, de modo a se aproximar ao máximo da sua verdadeira causa.

 

5. Mapa da Empatia

 

Uma boa forma de organizar as informações e características de seu público é criando um mapa da empatia. Com essa ferramenta, sua equipe terá um melhor entendimento sobre o que ele pensa, vê e sente.

Como aplicar:

  • Defina o público que você quer trabalhar (pode ser uma de suas Personas);
  • Divida um quadro, cartolina ou lousa, em seis partes: O que pensa e sente?; O que vê?; O que faz e fala?; O que escuta?; Quais são dores; e Quais são os objetivos?
  • Responda a cada uma das perguntas, e use essas informações para guiar o desenho do projeto.

 

6. Sombra

 

Sombra, ou Shadowing, se baseia na imersão da equipe na vida do público alvo, com o objetivo de observar sua experiência de consumo e comportamento em cada ponto de contato com a empresa.

A ideia é que isso seja feito da forma menos intrusiva possível, para que as reações sejam espontâneas.

Dica:

  • Acompanhe o usuário durante um determinado tempo para identificar como de fato ele se comporta.

 

 

 

 

Como as empresas utilizam chatbots?
O que é API First Design?

Compartilhe

Compartilhe este post com seus amigos