Recentemente, Amazon e Microsoft disponibilizaram a integração entre Alexa e Cortana, suas respectivas assistentes virtuais.

Com o desenvolvimento da inteligência artificial, cada vez mais as assistentes virtuais têm substituído uso do teclado como interface. No entanto, desenvolver e aprimorar esse tipo de sistema exige muito esforço e recursos. Não à toa, esse mercado é dominado pelas gigantes da tecnologia.

Atualmente, o market share de assistentes virtuais nos EUA é dominado pela Siri, da Apple, com 45%, seguida pelo Google Assistant (28%); Alexa, da Amazon (13,2%); Bixby, da Samsung (6,2%) e Cortana, da Microsoft (4,9%).

E foi visando aumentar sua competitividade no setor, que Microsoft e Amazon decidiram integrar suas assistentes virtuais.

 

Quais os interesses de Amazon e Microsoft com a integração entre Alexa e Cortana?

 

Em relação a quantidade de comandos que a assistente virtual pode executar, a Alexa supera de longe a Cortana – 40 mil contra 300.

Com a integração, a Microsoft quer aproveitar a presença da assistente da Amazon no setor de smart speakers para treinar a Cortana.

Atualmente, a Alexa da Amazon está presente em 60% dos smart speakers através do dispositivo Echo.

 

Para a Amazon, o grande benefício da parceria é a inserção no mundo corporativo por meio do Windows da Microsoft.

De acordo com uma pesquisa da consultoria Spiceworks com 500 empresas de TI, a Cortana é a assistente de voz mais utilizada pelos funcionários de empresas – 49% deles a utilizam.

 

Como funciona a integração?

 

Com a integração, os usuários que possuem um dispositivo Echo podem utilizar a Cortana para realizar tarefas como abrir programas da Microsoft (Outlook, Excel, Word,…).

Os usuários da Alexa também poderão utilizar recursos de produtividade da Cortana, como agenda e lista de tarefas.

Para os usuários do Windows, agora é possível abrir documentos do Office ou o navegador de internet, por exemplo, com a Alexa – que também poderá ser ativada pelos usuários da Cortana para realizar compras na Amazon, podendo ainda gerenciar os pedidos.

 

 

 

 

Aplicações de IoT - Quais as possibilidades da Internet das Coisas?
Desenvolvedores contra taxas cobradas por Apple e Google

Compartilhe

Compartilhe este post com seus amigos