Cada vez mais, as plataformas de pagamento digital têm se adaptado para criar melhores experiências para o consumidor. Por trás dos benefícios percebidos pelos usuários, podemos observar tendências tecnológicas que estão transformando a forma como as instituições financeiras oferecem esse serviço para o mercado indiano.

Leia abaixo quais são essas tendências.

 

UPI 2.0

 

O UPI é uma solução mobile de pagamento instantâneo, utilizada para efetuar transferências interbancárias de pessoa para pessoa e pagamentos de comerciantes.

O sistema foi desenvolvido em abril 2016 pelo National Payments Corporation of India (NPCI), e hoje um a cada dois indianos possuem uma conta na plataforma.

O seu diferencial está na forma de interação com o usuário, permitindo que os pagamentos sejam realizados de forma extremamente simples.

O novo cenário expõe a necessidade de instituições financeiras tradicionais oferecerem soluções de pagamentos mais intuitivas e simples para o usuário final. Além disso, com os novos hábitos dos consumidores somados com intervenções regulatórias, existe um avanço na criação de sistemas financeiros mais amigáveis ao B2B – isso era tudo que o UPI precisava, pois irá além da conveniência do consumidor para resolver alguns desafios das pequenas e médias empresas.

 

BharatQR

 

O BharatQR é um sistema de pagamento integrado indiano desenvolvido em 2016 pelo NPCI, Visa, MasterCard e American Express. O sistema padronizou o uso de QR Codes para realizar pagamentos, diminuindo a necessidade do uso de máquinas de cartão.

Predominantemente impulsionada pelo universo on-line, a ruptura digital traz à tona a discussão do O2O (Online-to-Offline). Estimular a concorrência é importante para melhorar esse tipo de serviço que ainda está embrionário. Por exemplo, o banco IDFC foi o primeiro a lançar um sistema de pagamento biométrico por meio da sua rede (Aadhaar), permitindo transações financeiras on-line em pontos de venda usando autenticação como modo de segurança.

Na Índia, dos 460 milhões de usuários de internet, nem 10% utilizam efetivamente os meios digitais para efetuar suas transações. O que reflete que o setor financeiro ainda tem muito espaço para evoluir passando por cima das dificuldades já existentes por conta de cultura e estrutura do país. Contabilizando essas variáveis, pode-se concluir que o O2O será bem recebido – afinal, compras off-line que podem ser feitas com pagamentos via UPI e Aadhaar irão remodelar este mercado.

 

Acesso ao crédito

 

A exploração de métodos únicos de classificação de crédito é um passo importante para os bancos definirem suas melhores estratégias comerciais. O Imposto sobre Bens e Serviços oferece essa oportunidade às instituições financeiras que aproveitam para alavancar novos modelos de empréstimos aos seus clientes, tudo baseado em fluxo – os retornos deste imposto podem ser usados como proxy para a qualidade de crédito de uma empresa, ainda mais para as PMEs.

Quando pensamos em pessoa física, é possível perceber que o uso de mobiles aumenta consideravelmente. O comportamento é registrado e os coloca no ecossistema de crédito formal – estes dados ficam disponíveis para bancos indianos e fintechs.

Na Índia, essa democratização representa chances mais igualitárias para as mulheres. Isso porque, o sistema financeiro formal do país ainda não compreende o comportamento do público feminino, seus requisitos de privacidade e seu acesso individual ao crédito. Toda essa movimentação irá expandir o impacto que os bancos podem ter sobre a população financeiramente ativa da Índia.

 

O que concluir?

 

Várias tecnologias de pagamento devem estar na lista de prioridades dos responsáveis pela experiência do usuário. É importante que estratégias comecem a ser traçadas para responder às perguntas:

  • Como avaliar a maturidade das nossas soluções de pagamento?
  • Como criar um novo comportamento de pagamento digital que envolva os canais do meu banco?
  • Quais são os produtos adicionais relevantes para meus clientes usando pagamentos como crédito, seguro, etc?

 

 

 

 

 

Design Thinking em projetos de desenvolvimento de software
Como impedir que empresas tenham acesso aos seus dados do Facebook

Compartilhe

Compartilhe este post com seus amigos