Integração e novas possibilidades de crescimento com a API Economy

Empresas que querem se transformar em uma plataforma, construir integrações com múltiplos parceiros e criar oportunidades de negócios personalizadas encontram na API Economy um facilitador.

API Economy é um modelo econômico centrado em APIs (interfaces de programação de aplicativos), que permite que os ecossistemas de negócio dentro e fora de uma organização cruzem dados entre usuários, facilitando a criação e troca de bens e serviços, para que todos os participantes sejam capazes de gerar valor, tanto para as empresas, quanto para o cliente final.

A economia de API não é um conceito técnico nem um modelo financeiro, mas um ecossistema de troca mutuamente benéfica, cuja moeda são os dados e serviços digitais. Porém, o número de organizações com estratégias maduras e um portfólio robusto de API permanece pequeno. As APIs possuem uma importância estratégica e são essenciais para o sucesso da jornada de transformação digital da sua empresa, junto com a automação e Cloud Computing.

Quer conhecer mais sobre a API Economy e como sua organização pode se beneficiar com ela? Continue a leitura!

 

É possível aproveitar o potencial de competitividade da API?

“A economia da API é um facilitador para transformar uma empresa ou organização em uma plataforma.”, disse Kristin R. Moyer, vice-presidente e analista distinto da consultoria Gartner.

“As plataformas multiplicam a criação de valor porque permitem que os ecossistemas de negócios dentro e fora da empresa consumam combinações entre usuários e facilitem a criação e/ou troca de bens, serviços e moeda social para que todos os participantes possam capturar valor”, continua Moyer.

É como uma cola, que une as diferentes peças de um software e parcerias tecnológicas. Também pode ser colocado como um contrato, um acordo entre duas partes diferentes: se eu te entregar X dados ou serviços, você me devolve Y.

As empresas que participam da economia de API constroem seus serviços e produtos visando consumir APIs do mercado, para acelerar o desenvolvimento de recursos totalmente novos e aprimoramentos de recursos existentes e/ou expor APIs para agregar valor aos consumidores, sejam eles usuários finais ou outras empresas.

Existem APIs privadas, APIs de parceria (compartilhadas) e APIs públicas, que podem ser pagas ou não.

Atualmente, de acordo com o Relatório “The State of API”, as APIs são um dos grandes pilares da transformação digital para os negócios. O primeiro passo para entrar nesse ecossistema é definir quais aspectos são mais importantes para sua empresa: segurança, escalabilidade, flexibilidade, entre outros. A partir disso é possível determinar uma ordem de prioridades, que servirá como base para a decisão da melhor plataforma.

Uma empresa pode ser um provedor de API ou um consumidor de API, mas de qualquer forma, torna-se parte da API Economy a partir do momento que consegue usufruir desse ecossistema. Existem ecossistemas de produtos, ferramentas, padrões abertos e protocolos relacionados à API, que estão amadurecendo à medida que cada vez mais empresas estão ingressando na economia de API.

Pequenas start-ups agora estão competindo com grandes multinacionais, e players maiores estão adquirindo aplicativos individuais por causa de seu potencial disruptivo. À medida que a economia da API cresce, também cresce a inovação no espaço da API. Muitos gateways de API robustos estão agora disponíveis no mercado, e vários aplicativos de segurança garantem acesso seguro e protegido. A API Economy está permitindo que os negócios avancem mais rapidamente por meio da adoção de recursos existentes que podem ser aproveitados para melhorar a experiência do cliente.


API Economy e o poder da conectividade

A tendência para a integração está acelerando ao longo dos anos e a conectividade é um dos maiores benefícios da API Economy.

As APIs tornam mais fácil integrar e conectar pessoas, lugares, sistemas, dados e algoritmos, criar novas experiências de usuário, compartilhar dados e informações, autenticar pessoas, habilitar transações, alavancar algoritmos de terceiros e criar novos produtos/serviços e modelos de negócio. O aplicativo Uber é um exemplo de empresa que utiliza o Google Maps por meio de uma API para habilitar todo o seu modelo de negócio.

De acordo com a McKinsey, os early adopters estão usando as APIs para criar novos produtos e canais, além de melhorar a eficiência operacional. De acordo com a estimativa da consultoria, a união de diversos setores dentro desse ecossistema de APIs pode gerar lucro global de até 1 trilhão de dólares.

Alguns exemplos do potencial dessa conexão são:

Setor automotivo: as APIs podem ser utilizadas para incorporar dados de eficiência, estatísticas de direção, informações de rota e alertas em tempo real nos painéis dos carros.

Setor varejista: podem usar as APIs para configurar plataformas de compras multimarcas, rastrear estoques e ajudar os clientes a localizar lojas e produtos.

Setor financeiro: muitos bancos fazem parcerias com fintechs e varejistas para desenvolver APIs que ajudem os clientes a integrar dados bancários com apps de finanças pessoais e investimento. Além disso, essa parceria entre instituições financeiras e varejo faz com que as IFs consigam integrar seus serviços de forma mais fluída aos aplicativos varejistas, o que, por sua vez, também beneficia os varejistas que desejam que seus clientes tenham fácil acesso a uma maior variedade de opções de pagamento via app.

A maioria dos serviços públicos têm sistemas internos para atender o público. Em vez de construir uma plataforma digital completa do zero para oferecer todos esses serviços, muitos governos optam por criar uma plataforma digital “guarda-chuva,” que consome serviços e dados de departamentos individuais por meio de APIs.

Todas essas possibilidades de novos negócios mostram que as APIs desempenham um papel crucial na vinculação de organizações e tecnologias nos ecossistemas, com um papel significativo na manutenção da competitividade.

>> Leitura recomendada: API Gateway: como integrar aplicações e consumidores

 

Como colocar a API Economy em prática?

Uma pesquisa da Accenture apontou que existem duas formas de atuar na API Economy:

  • expor os próprios serviços e dados por meio de APIs

ou

  • consumir APIs para acessar dados e serviços de terceiros.

Alinhar seus negócios com a economia de API não é tão complexo quanto parece, mas precisa de planejamento. A McKinsey elencou estratégias de API que as empresas mais bem-sucedidas implementam, seguindo as etapas abaixo:

1. Identifique – e priorize – o valor

As APIs podem gerar muito valor para o negócio, mas primeiro as instituições precisam entender onde melhor aplicá-las. Confirme se sua organização está pronta para essa mudança: entenda a proposta de valor e a estratégia que precisa ser incorporada. Analisar as jornadas do cliente geralmente é a melhor maneira de identificar oportunidades de API. Uma vez que as melhores oportunidades são identificadas, os desenvolvedores de API podem analisar quais e quantas APIs são necessárias para materializar a entrega desse valor.

2. Gerencie a monetização ativamente

Com uma visão clara, as empresas precisam se concentrar no que precisam implementar para capturar o valor que identificaram, uma etapa que muitas organizações surpreendentemente tendem a ignorar.

Saber e quantificar quanto valem os dados ou serviços subjacentes, os fluxos de receita que as APIs abrem e o quanto desenvolvedores e usuários podem estar dispostos a pagar para acessá-los, te ajudarão a saber quais tipos de acordo de monetização e de parceiros você precisa buscar.

As opções geralmente incluem “pagar pelo uso”; modelos de compartilhamento de receita e “freemium”. Ao determinar qual abordagem de monetização usar, os provedores devem pensar em como seus dados e APIs podem agregar valor distinto para diferentes públicos, internos e externos.

3. Crie uma governança centralizada e um modelo organizacional

O uso eficaz de APIs requer uma nova maneira de pensar sobre parcerias, sobre como negócios e tecnologia podem se unir sob um novo ritmo de desenvolvimento, financiamento e governança de dados.

Ele também vem com novos desafios para privacidade e segurança de dados. Estabelecer um órgão centralizado, como um Centro de Excelência de API (CoE), pode auxiliar a supervisionar o design e o desenvolvimento da API em toda a organização. A liderança de API eficaz estabelece direitos de decisão claros e identifica quais recursos de API são necessários e quais novas APIs a empresa precisa para evoluir.

4. Impulsionar o uso e a adoção para ganhar escala

Como qualquer produto ou serviço, um programa de API bem-sucedido requer uma campanha de adoção cuidadosamente gerenciada. O gerenciamento de API está emergindo como uma funcionalidade essencial para sobreviver na era digital. A escolha de parceiros de tecnologia pode auxiliar sua organização no gerenciamento.

>> Leitura recomendada: API Financeira e Open Finance: integrando ecossistemas com inovação

 

API Economy e transformação digital

Segundo o Relatório da API Economy de 2021 realizado pelo Google, durante a pandemia, quase dois terços das empresas entrevistadas aumentaram os investimentos em transformação digital ou estavam desenvolvendo estratégicas completas para se tornarem digital-first.

Esse movimento aconteceu porque durante a pandemia, a jornada de transformação digital nas empresas deixou de ser um diferencial para se tornar uma necessidade.

Nesse sentido, o objetivo das organizações deixa de ser apenas iniciar um aplicativo ou migrar dados ou cargas de trabalho para um provedor de nuvem, mas sim abraçar a natureza da mudança, redefinindo estratégias para trabalhar com ativos digitais, que são infinitamente replicáveis e, portanto, oferecem várias oportunidades para escalar negócios.

Algumas APIs tornam os aplicativos legados acessíveis em grande parte para alinhar o passado com o presente, por exemplo, enquanto outras são usadas para compartilhar microsserviços nativos da nuvem que facilitam técnicas de desenvolvimento particularmente ágeis, granulares e modulares.

Todas as empresas do mundo já possuem dados valiosos e funcionalidades armazenadas em seus sistemas. Capitalizar sobre esse valor, no entanto, significa liberá-lo dos silos e torná-los operáveis e utilizáveis em diferentes contextos. As APIs possibilitam essas sinergias, permitindo que os desenvolvedores acessem e combinem facilmente ativos digitais em diferentes sistemas, mesmo que esses sistemas nunca tenham sido destinados a interoperar.

De acordo com a Deloitte, as interfaces de APIs estão se mostrando bem-sucedidas em vários setores. Oportunidades de mercado em evolução, como pagamentos, também carregam atributos comuns significativos a esses modelos. A economia de API é impulsionada por uma filosofia de integração e pelo rápido desenvolvimento da tecnologia.

Porém, é importante ressaltar que fazer com que dois sistemas interoperem não é intrinsecamente valioso – o que é valioso é o que essa integração permite em termos de resultados de negócios e se pode ser replicado, iterado e gerenciado em escala à medida que as necessidades de negócios mudam.

De acordo com o relatório do Google citado anteriormente:

  • 56% dos tomadores de decisão de TI veem as APIs como ativos que ajudam as organizações a criar melhores experiências e produtos digitais;
  • 52% dizem que as APIs aceleram a inovação ao permitir que os parceiros aproveitem os ativos digitais em escala;
  • 40% veem as APIs como facilitadores de integração de sistemas e
  • 36% dizem que veem as APIs como ativos estratégicos para criar valor comercial.

Como esses dados atestam, a integração continua sendo um importante caso de uso da API, mas também pode ser limitante se for percebida como a única proposta de valor da API.

A organizações que entenderam que as APIs permitem novas oportunidades de negócio e parcerias entre setores diferentes – como já mostramos acima – preenchendo lacunas competitivas no mercado.

>> Leitura recomendada: Microsserviços: Como garantir a confiabilidade?

 

Como automação e Cloud computing podem auxiliar na API Economy?

O crescimento da Cloud Computing nos últimos anos levou à necessidade de integração. A troca de dados e serviços por meio de APIs permite um retorno mais rápido do produto, maior satisfação e confiança do consumidor, acesso a novos mercados, colaboração aprimorada e muitos outros benefícios.

Como já comentamos, participar do ecossistema da API Economy é necessário ter uma infraestrutura adequada, para viabilizar as conexões. Por conta dessa complexidade de arquitetura, o relatório do Google citado anteriormente, nos mostra que muitas empresas estão se adaptando para ter mais flexibilidade de implantação e resiliência e isso envolve, por exemplo, a adoção de multicloud e de microsserviços.

De acordo com os entrevistados pela pesquisa, as tecnologias que estão no foco de adoção são:

  • 52% – aumento no uso de SaaS para administrar workloads
  • 50% – aumento de adoção de cloud híbrida
  • 21% – aumento de deploys multi-region
  • 19% – aumento na adoção de microsserviços
  • 16% – aumento na adoção de service mesh

E por falar na criação e sustentação de APIs dentro de um ecossistema, o Brasil está desde 2021 na jornada de implementação do Open Finance, iniciativa na qual os clientes poderão autorizar o compartilhamento de suas informações bancárias com outras instituições financeiras.

Esse ecossistema funciona por meio de APIs, que conectam os sistemas internos e o banco de dados das instituições com a solução de Open Finance. Isso permite que as transações de dados possam ocorrer de forma segura, de acordo com as diretrizes regulatórias do Banco Central. Ou seja, os dados obtidos nesse ecossistema podem fomentar a inovação no mercado financeiro, tornando os produtos e serviços mais acessíveis.

Um dos maiores bancos digitais do Brasil, que possui cerca de 2,5 bilhões de clientes, ingressou com o nosso auxílio no Open Finance, cumprindo com sucesso as exigências regulamentares e de segurança e abrindo oportunidade para diversas parcerias, com segmentos de varejo e seguros, por exemplo, além da personalização de ofertas.

Quer colocar em prática as suas estratégias com APIs? Nós te ajudamos a realizar conexões inteligentes em todo o ciclo, considerando a governança e a segurança dos dados, para impulsionar estrategicamente os negócios. Venha conversar com a gente e entre para a API Economy!


squads ágeis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Newsletter

Insights de tecnologia para você!

Não compartilharemos seu e-mail com terceiros e também prometemos não enviar spams. Ao informar seu e-mail, você concorda com nossa Política de Privacidade.

Conteúdos relacionados

Veja nesse artigo sobre inteligência artificial para negócios como adorar a IA de forma eficácia com o seu time.
Confira nesse artigo como é possível alcançar a Hiperprodutividade no desenvolvimento de software com o uso da IA.
Veja nesse artigo de Edison Kalaf, sócio diretor da Opus Software, como a TI não é apenas operacional, mas um agente ...