Squad ágil: um modelo para aumentar a autonomia e responsabilidade na cultura empresarial

Squad ágil é uma equipe formada com características multidisciplinares e autogerenciadas. Ela se tornou popular em meados de 2012, quando o Spotify divulgou seu modelo de gestão, com a ideia de melhorar a organização dos times, indo ao encontro da necessidade de muitas organizações de buscar diferentes formas de inovar na gestão e conquistar agilidade, algo difícil de manter à medida que uma empresa cresce.

Nesse sentido, metodologias ágeis e técnicas de gestão vêm sendo criadas a fim de que empresas em jornada de transformação digital tenham uma gestão de pessoas em consonância com a inovação na tecnologia.

Entretanto, é importante se atentar a um ponto: aplicar modelos prontos, sem antes analisar o seu contexto, pode causar problemas. O próprio “modelo Spotify” é criticado e apresenta falhas.

Segundo a Forbes, para saber se você está no caminho do business agility você precisa analisar a eficiência (relação entre custo operacional e produtividade), o nível de stress em momentos de mudança (capacidade de adaptação do time, quanto menos estresse, melhor) e investimento em pesquisa e consultorias para entender o cenário atual da empresa.

À medida que uma empresa se expande, novas equipes surgem e, com elas, uma maior necessidade de comunicação. Enquanto as mudanças permitem que as squads pensem mais profundamente e a longo prazo sobre os problemas que devem resolver, a dependência entre squads cresce e a interação entre elas deve funcionar.

Não existe uma receita pronta que funcione para todos os projetos, equipes, e negócios independente do cenário interno ou externo. Por isso, é importante que a sua organização escolha o framework ágil que mais se adeque com seu contexto, para garantir um fluxo de trabalho eficiente, com alto grau de previsibilidade.

Continue a leitura saiba mais sobre frameworks ágeis, como montar uma squad ágil eficiente e como a cultura ágil pode te ajudar a melhorar os seus resultados.

 

O que são frameworks ágeis?

Normalmente, as empresas dividem suas equipes por área de formação e atuação. Por exemplo, o marketing é um setor que interage mais com o setor comercial, financeiro e de recursos humanos.

Com a promessa de assertividade, flexibilidade e economia de tempo, as metodologias ágeis são estratégias que começaram a ser usadas por empresas de tecnologia e startups e hoje estão nos mais diversos setores. Os frameworks ágeis foram criados para possibilitar que os conceitos da metodologia ágil possam ser aplicados, de acordo com as necessidades do seu time ou do projeto.

O scrum, por exemplo, é um framework ágil no mundo do desenvolvimento de software, baseado em ciclos de desenvolvimento, normalmente mensais, chamados de sprints.

Outro exemplo é o kanban, criado na década de 60. Ele consiste no uso de um quadro branco dividido em colunas, cada uma refletindo uma etapa do fluxo de produção, preenchidas por cartões/cards coloridos, representando as tarefas, organizadas por ordem de prioridade de execução.

Os frameworks ágeis podem ser combinados entre si, visando a facilidade e a rapidez ao executar tarefas e na resolução de problemas.

Hoje em dia há diversas opções de kanbans digitais, como o Notion, Asana e o Trello, plataformas que, por meio da inovação tecnológica, substituíram os grandes quadros brancos com post-its. De acordo com a Forbes, o Notion alcançou a marca de 20 milhões de usuários em 2021, cinco vezes mais que os usuários de 2020.

>> Leitura recomendada: Descubra por que adotar frameworks ágeis não é a mesma coisa que ter business agility

 

Squads e o modelo Spotify

Uma squad ágil reúne profissionais de diferentes áreas em projetos pontuais, para que eles desenvolvam soluções juntos. São times cross-funcionais, ou seja, equipes multidisciplinares, formados por um número de membros de, em média, 6 a 8 integrantes.

Não há uma divisão de tarefas específica, entregas individuais ou líderes: todos têm autonomia para se organizar e construir um plano de trabalho, pensando, juntos, em como fazer as entregas necessárias para atingir os objetivos desenhados. Após a conclusão do projeto, os times podem ser desfeitos ou mantidos para a execução de outras ideias.

As squads começaram a ser utilizadas nas startups e é uma tendência que despertou o interesse de outros setores, por conta dos benefícios que propicia: produtividade e autonomia. Esse termo surgiu com o Spotify, em 2012, e se popularizou por conta dos seus relatórios de sucesso.

De acordo com Jeremiah Lee, ex-gerente de produtos do Spotify, a organização tinha equipes que chamavam de “squads” porque era um termo “legal”. Um grupo de squad ágil de determinado departamento era chamado tribo. Cada equipe pretendia ser uma “mini-startup” autônoma, com um gerente de produto atuando como “mini-CEO” para uma área de recursos. As equipes tinham designers e engenheiros de software com diversas especializações. A intenção era que uma equipe tivesse todas as habilidades necessárias, sem precisar depender de outra equipe para o sucesso.

O Modelo Spotify, porém, foi documentado quando o Spotify era uma empresa muito menor. Hoje ele ultrapassa os 430 milhões de usuários e os próprios ex-funcionários explicam que esse não é um modelo que deveria ser seguido por todos, já que a squad ágil nem sempre funcionam bem.

“Me preocupa que as pessoas pensam o Modelo Spotify como um framework que pode ser simplesmente copiado e implementado… Agora, a gente está tentando deixar claro que temos problemas também. Nem tudo é incrível e funciona bem, os squads nem sempre são bons”, conta Anders Ivarsson, co-autor do Modelo Spotifty.

O Nubank, por exemplo, se inspirou no modelo Spotify implementando as Squad ágeis focados em objetivos específicos. “Cada squad possui uma missão de médio e longo prazo e define seus objetivos a cada trimestre”.

Ou seja, tudo depende do contexto, da cultura organizacional da empresa e do projeto escolhido e, por isso, as ferramentas de análise de contexto, como o sensemaking, são muito importantes.

A squad ágil é aplicável em todas as organizações?

O uso de metodologias ágeis deve estar conectado com a cultura organizacional. Quando você opta por priorizar a formação de times, tomando esses modelos de framework ágil como base, é preciso avaliar se a organização está pronta para essa transformação.

Mesmo que haja comprovação de benefícios relativos à produtividade e diversificação da equipe, não significa que exista uma receita pronta, fácil de ser implementada em todas as empresas.

De acordo com Ricardo Ribeiro, head de inovação da Rapp Brasil, “quando tratamos de transformação digital, falamos sempre de tecnologia, mas é muito mais do que isso, é sobre mudança de mindset de entender que a transformação digital vai além”. Ao implementar a cultura ágil em uma organização, conciliada com inovações disruptivas, a meta é alcançar não só a transformação digital, mas uma maturidade, a longo prazo.

Em entrevista ao portal da revista Exame, Anaterra Oliveira, superintendente de tecnologia do BV, declarou que o uso da metodologia ágil, por meio de kanbans online, permitiu o acompanhamento do funcionamento de 76 squads simultaneamente, com 99% das pessoas trabalhando de forma remota.

A cultura ágil visa valores que vão além da celeridade dos processos, cumprimento de metas e finalização de trabalhos, são eles:

  • Confiança;
  • Comunicação;
  • Transparência;
  • Empoderamento;
  • Responsabilidade e
  • Interação entre os membros da equipe.

É fundamental que esses objetivos estejam claros para todos os membros da organização, a fim de uma melhor implementação desses métodos, como a squad ágil.

Além disso, o fato de os próprios criadores do “Modelo Spotify” o criticarem hoje em dia, não significa que esse tipo de modelo não funcione, mas sim que  é necessário entender as estruturas do seu negócio ou do seu projeto, para avaliar com mais assertividade o que é necessário.

Caso uma squad ágil se mostre compatível com as suas necessidades, é importante escolher bem os profissionais que vão compor esse time, tanto em termos de hard skills, quanto de soft skills.

>> Leitura recomendada: Transformação digital: Como o ágil facilita esse processo nas empresas

 

Liderança e squad ágil fazem a diferença nos projetos?

Liderança ágil é o modo de conduzir equipes baseada na metodologia ágil, sempre disposta a investir na melhoria contínua e adaptação a mudanças e urgências.

A principal função de um líder na cultura ágil é empoderar a sua equipe, a fim de gerar motivação e engajamento para a realização de projetos. Inspirar pessoas, mantê-las motivadas e garantir a produtividade é um dos principais modos de gerir equipes, com soluções inteligentes e criativas.

Ainda segundo Jeremiah Lee, que já mencionamos acima, os principais erros do Spotify ao adotar o sistema de squad ágil foram:

  • Falta de colaboração: cada squad utilizava o recurso que quisesse, muitas vezes atrasando o processo de outras squads. Autonomia requer alinhamento e essa organização deve ser feita pela liderança. A colaboração é uma habilidade que requer conhecimento e prática;
  • Responsabilidade: a autonomia entre squads requer responsabilidade e equipes maduras podiam justificar sua independência com sua entrega de valor e definição de prioridades;
  • Comunicação: se um problema não fosse resolvido com os pares, havia sempre a necessidade de escalar para cada vez mais níveis, de modo que, por vezes, todo um departamento estava envolvido na resolução de problemas simples.

Quando uma empresa se torna grande, as squads precisarão de suporte e liderança dedicada a orientar o planejamento dentro da equipe e estruturar a colaboração entre squads. A medida de sucesso para um projeto deve ser definida por essa liderança, para que as pessoas possam negociar efetivamente a priorização de dependência entre equipes.

Fazer a transição de processos complexos e custosos para metodologias ágeis não é uma tarefa fácil em muitas organizações, é uma mudança que permeia todo o comportamento da empresa e seus colaboradores.

Uma consequência natural de implementar frameworks ágeis e de autonomia, como a Squad ágil, é a rapidez na execução das atividades. Com a squad, há foco na realização de um mesmo objetivo e então as ideias são levadas à prática com mais rapidez.

Ficou interessado em desenvolver produtos e serviços com squads ágeis? Nós montamos uma squad completa altamente capacitada e complementamos a sua própria equipe. Trabalhamos com frameworks ágeis, que garantem um fluxo de trabalho eficiente, com alto grau de previsibilidade. Entre em contato com a gente!


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Newsletter

Insights de tecnologia para você!

Não compartilharemos seu e-mail com terceiros e também prometemos não enviar spams. Ao informar seu e-mail, você concorda com nossa Política de Privacidade.

Conteúdos relacionados

Descubra adotar a IA generativa nas empresas e potencializar a produtividade e inovação das equipes de TI no desenvol...
Veja como será futuro dos meios de pagamento, que está se transformando com a digitalização, a adoção de tecnologias ...
Descubra quais as principais atividades de desenvolvimento de software que podem ser automatizadas e pela GenAI.